Minha experiência com a Fase da Angústia da Separação

Vocês já ouviram falar sobre a fase da angústia da separação? Eu só conheci esse termo quando a Bela já tinha nascido. Talvez tenha lido alguma coisa sobre o tema durante a gravidez, mas o cérebro nem absorveu (por que nos preocupamos tanto com o enxoval? Claro que é importante, mas tem tantos outros assuntos que deveriam estar na lista de prioridades…) Quando o bebê nasce ele acha que é parte da mãe, como se fosse uma única pessoa. Com o passar do tempo que se dá conta que são duas pessoas e que aqueles pezinhos voantes são seus. Isso traz angústia e um certo pânico.

Não é de uma hora para outra que isso acontece, mas sim um processo. É bem comum aos seis, sete ou oito meses (mais ou menos) o bebê se ver “sozinho” e chorar, como se realmente tivesse sido abandonado. Não entende que “a mamãe só foi na cozinha e já volta”. Alguns bebês sofrem mais quando estão para completar um aninho.

De 1 a 6 meses – Com menos de 6 meses, as crianças se identificam totalmente com as pessoas que tomam conta delas. Além disso, basicamente pensam em suas necessidades básicas: comida, amor e atenção. Nos primeiros 3 meses, identidade própria está fora de cogitação para seu filho, que se concentra em ter controle de movimentos simples e reflexos. Você poderá notar os primeiros sinais de independência aos 4 meses, quando o bebê descobre que chorar chama atenção. Esse é um dos primeiros passos para a criança aprender que tem vontade própria e que seu comportamento provoca reação nas outras pessoas.

De 7 meses a 1 ano – Por volta dos 7 meses, seu filho vai compreender que é independente de você. Esse é um importante salto cognitivo, mas, infelizmente, vai deixar o bebê ansioso. O elo com você já ficou tão forte que uma mera saída de vista por um segundo fará o bebê se debulhar em lágrimas. A criança ainda não entende que você vai e volta. E não pense que sair de fininho ao deixar seu filho na escola ou com uma babá vai ajudar. Na verdade, isso pode assustar o bebê ainda mais. Por mais duro que seja, na hora de ir embora, se despeça cara a cara”. – Baby Center 

Bela9meses_nositio_JuniaLane058

Por aqui o marco foi aos 6 meses. A Bela sempre foi grudada em mim. Nossas famílias moram longe, eu passo o dia em casa praticamente, o Diego trabalha bastante (e alguns dias da semana faz MBA, ou seja, nem vê a Bela!). Impossível ser diferente, não é verdade? Para piorar, o prédio onde morávamos não tinha criança praticamente e o parquinho sempre estava vazio.

Ela criou a mania de passar a mão no rostinho várias vezes seguidas ao chorar, como se pedisse: “mamãe, me pega, por favor!” Quem é próximo sabe bem como ela se comunica quando quer alguma coisa, rs. Ou seja, aos 6 meses eu tinha eu verdadeiro grudinho/chicletinho que sofria demais longe de mim. Só eu conseguia fazer dormir, em lugares cheios de pessoas eu tinha que falar assim: “quer pegar? vai rápido e não deixe que me veja mais”. Engraçado que muitas pessoas não falam, mas fazem aquela cara de reprovação para a mãe. Como se fosse minha culpa morar num lugar sem crianças, ter a família longe. Como se fosse o fim do mundo um bebê não ir no colo de “um estranho”. Mas, acho melhor deixar o tema “sou mãe, logo, sou julgada” para um próximo post (rs).

Acredito que isso influenciou muito a introdução alimentar, e portanto, o começo foi desafiador. Quando vemos o nosso bebê assim, grudado, faz parte do nosso instinto materno proteger e cuidar mais ainda. Pelo menos foi assim comigo. Quando o Diego tentava fazer dormir e eu escutava aquele choro desconsolado, confesso que não aguentava e ia socorrer. Em um dos eventos que tivemos do blog Lápis de Noiva, lembro que o dia anterior eu chorei quase uma tarde inteira! A Bela teria que ficar, ela não aceitava a mamadeira, copinho, nem nada. Resumindo… ela foi junto, o Diego foi forte e eles se viraram super bem. Quando o evento acabou e eu vi que tinha dado tudo certo (eu só precisei amamentar mesmo), eles se divertiram e tudo, fiquei tão tranquila e vi que a Bela estava ótima, mas eu tinha que respeitar essa fase “vejo minha mãe, quero ficar com ela” e que “se não vejo minha mãe, estou bem também”.

Uma coisa super importante dessa fase é o vínculo entre pai e bebê. É ele a pessoa mais próxima e mais importante depois da mamãe (nessa fase, ok?). Sempre que o Diego estava em casa era ele quem dava banho  (e ainda é até hoje), saía para passear de carrinho e brincavam juntos. Confesso que ele ficava super frustrado nos momentos em que a Bela só queria o meu colo, embora não falasse nada.

Na fase dos 8 meses, o Diego começou um trabalho em São Paulo e foi super difícil também. A Bela só ficava comigo, dormia e tudo. Como ela passou a acordar de madrugada (pensem que até o 6 meses ela dormia pelo menos 10 horas seguidas a noite) e eram vááárias vezes, eu estava exausta e mesmo trabalhando em casa, tenho a rotina pesada. Nunca tirei soneca com ela, pelo contrário, quando dorme eu pareço uma doida correndo de um lado para o outro para resolver tudo! Parecia um zumbi e quando o Diego estava em casa, queria poder descansar um pouco, mas justo a noite, era suuuper difícil. Sabem quando tudo mudou? A primeira vez que o Diego passou a semana longe de casa. Após 5 dias longe, quando chegou em casa a Bela fez festa, tudo normal, mas quando ele entrou no banheiro, ela chorava sem parar e depois disso, só queria saber do papai (exceto na hora de dormir, rs… #sóserveamamãe). Ou seja, o vínculo que já tinha sido criado desde a barriga, que se desenvolveu com a presença, com o carinho, com a rotina, estava mais que formado. Era uma questão de tempo. Eles ficaram tão grudados que quando saíamos na rua e eu tinha que pegá-la no colo por alguma razão, a Bela chorava tanto que quem via logo pensava “ela não ama essa mãe”, hahahaha. Isso foi essencial para o relacionamento do Diego com a Bela e foi importante para nós três. Nesse final de semana que a Bela descobriu que não poderia viver seu o papai e tinha medo que ele “desaparece” o Diego falou assim: “amor, ela também me ama!” Vejo os dois juntinhos e meu coração quase sai de dentro do peito. É muito amor mesmo!

E como estamos hoje? A Bela tem 10 meses. Sorri e conversa com todo mundo, mas gosta mesmo é de ficar no colinho da mamãe, do papai, da tia Sandra e da tia Ju. Já está indo com outras pessoas, mas só quando realmente quer. Fica doida com outras crianças e esquece até que tem mãe, rs. Como nos mudamos para São Paulo e o Diego trabalha perto de casa, a Bela está mais calma e aceita bem o “tchau tchau” do papai. Esse sábado fomos em um aniversário e ela praticamente não ficou comigo. Muita gente brincando, muita alegria, muitos estímulos. E aí eu fico pensando “por que temos que ser tão rígidos e achar que a criança vai ficar mal acostumada se só ficar com a mãe?” Passa tão, mas tão rápido essa fase que o que temos que fazer é dar amor, acolher e quando possível, criar oportunidades para o bebê ir com outras pessoas. E uma das lições que aprendi foi: não sofrer por antecipação. Não deixar de ir em nenhum lugar porque seu filho está grudado, não sofrer porque não quis ir no colo daquela sua amiga ou até da avó. Apenas aceitar, respeitar o tempo do bebê, criar um vínculo forte entre vocês, dar segurança sempre, atender ao choro, especialmente à noite. A Bela está crescendo, virando mocinha e independente (ah, não!rs). E se algo mudar e ela precisar ficar grudinho com a mamãe de novo, estarei aqui para acolher, amparar e dar muito amor.

Tem mais alguma mamãe passando por essa fase? Como tem sido?

Bela9meses_nositio_JuniaLane041 Bela9meses_nositio_JuniaLane042 Bela9meses_nositio_JuniaLane045 Bela9meses_nositio_JuniaLane047 Bela9meses_nositio_JuniaLane049 Bela9meses_nositio_JuniaLane050 Bela9meses_nositio_JuniaLane051 Bela9meses_nositio_JuniaLane052 Bela9meses_nositio_JuniaLane053 Bela9meses_nositio_JuniaLane055 Bela9meses_nositio_JuniaLane057
Fotos de um momento gostoso “mãe e filha” no sítio do vovô e da vovó! Obrigada tia Junia Lane por registrar as festinhas e os momentos simples da vida também! Te amamos!

Deixe seu comentário

9comentários

  1. Heglynn - 27 de junho de 2016 às 13:28

    Oi Lorena!!
    Parabéns pelo seu trabalho, já acompanhava o lápis de mãe (meio que a distância)…, mas com a chegada da Bela não resisti e agora acompanho sempre. Até pq por aqui tb tenho um grudinho de 10 meses… E se eu não me engano nasceu junto com a Bela.,. 19/8/15.
    Adoro ver o q acontece por aí e ver que não estou sozinha ….
    Parabéns mais uma vez!

  2. Daniela Schramm - 27 de junho de 2016 às 14:14

    Que lindo seu relato e me familiarizo muito, tenho dois filhos, João de 6 anos e Levi que completou um aninho agora dia 03/06. Quando João nasceu eu escolhi sair do emprego pq não conseguia me imaginar longe do meu bebê com apenas 4 meses, fora que não seria viável financeiramente, passei dois anos em casa e João desde que nasceu sempre foi um grude, logo bebê não ficava nem com o pai, meus banhos eram super rápidos, as pessoas me criticavam muito, muito mesmo, diziam que ele não seria independente, que seria uma criança muito mimada e tudo mais, confesso que sofri bastante, não sabia lidar com tantas coisas ao mesmo tempo, mas deu tudo certo, João é uma criança super decidida, um menino bom, cheios de amigos e que se comunica super bem. Com Levi é diferente, mas tb um grudinho, não tanto quanto João ( que continua grudinho rsrs) mas amooo… Olha Lore, não me arrependo de nada e sempre que eles precisam de colo eu dou e encho de beijos e muito cheiro, só sei ser mãe assim. Somos mãe e isso não significa acertar sempre, então curta bastante a Bela pois o tempo passa super rápido. Bjs e parabéns pelo lindo trabalho 😘

  3. Karen Antonelli - 28 de junho de 2016 às 09:19

    Lore… Nossa que alegria ler esse texto… Vou pesquisar mais sobre o assunto, pois acredito que estou entrando nessa fase agora… Minha baby está há 10 dias de completar seus 6 meses. E em casa ela não aceita outra pessoa que não seja eu… O papai dela fica super chateado, achando que ela não gosta dele… E eu não sei como agir pois ela só se acalma comigo…
    Que consolo de Deus saber que isso é uma fase e passa…
    Esse texto veio no momento certo… Que Deus continue te abencoando muito e te usando para abençoar outras mamães de primeira viagem como eu…
    Amo acompanhar vocês, e futuramente a minha Karola tambem vai amar…
    Deus abençoe vocês… Beijos!!!

  4. Bia - 28 de junho de 2016 às 22:11

    Oi ,Lore. … (íntima)rs !
    Estudei no IASP na mesma época da Ju…temos mtas amigas em comum…
    Acompanho seu blog,lápis de noiva desde o começo, pois estava preparando o meu casamento. ..inclusive tirei muitas idéias sobre decoração do seu blog…entrava todos os dias e pesquisava muito!! Fiz praticamente te…eu é a minha família….qria te enviar as fotos…
    Agora, tbm sou mamãe de uma menina e ela tem seis meses…meu chicletinho tbm….me identifiquei muito com o seu depoimento…meu marido tbm trabalha em outra cidade metade da semana…e só agora tbm está sentindo falta do papai…
    É muito bom ter esse grupinho…realmente passa muito rápido…adoro os blogs…um bju da sua fã!!😊

  5. Alanna Lorena - 29 de junho de 2016 às 14:02

    Bom, eu não tenho filhos (futuramente pretendo) ainda não posso ter, pois ainda sou bem jovem (19 anos) rsrs, e mais… ainda não sou casada!
    Acompanhava mais o lápis de noiva, e agora sou super fã do “lápis de mãe”, vejo todos os posts sobre a Bela aqui e curto no Instagram também. Parabéns, minha xará (rs), por essa mamãe super dedicada! Que Deus abençoe muito você e sua família, muuuita sabedoria à vocês!
    Sou encantada pela Bela! 😍 (Espero que um dia tenho a oportunidade de conhecê-los!)
    Abraço!

  6. Maria Teresa Andrioni de Albuquerque - 2 de agosto de 2016 às 05:37

    Que modelo de sling é esse?

  7. Sabrina - 3 de agosto de 2016 às 09:28

    Oiee…
    Acompanho sempre e me identifico muito!
    A minha Mirella fez um aninho dia 19 de julho.
    E realmente as vezes é uma luta porque é a mamãe pra tudo!!
    Mas o meu dilema é que ela não fica 30 segundos no colo da avó paterna que já abre o berreiro.
    Com a avó materna não tem isso.
    O duro é que a avó paterna é babá a muitos anos e não se conforma de a própria neta não se acostumar com ela.
    Tem algo que eu possa fazer para amenizar esse problema?

  8. Mariana - 18 de Março de 2018 às 14:21

    Meu deus! Achei que era eu escrevendo. A familia aqui nao mora longe mas é toda ocupada! Marido trabalha quase que 24h/7dias e sou só eu e eu.. sem crianças na familia, no predio… enfim. Tudo igual! Os olhares, as pessoas que acham sua filha mimada pq so quer a mae afinal é a unica pessoa q ela convive ne… enfim! E a angustia de separação aqui tá me consumindo!!!!!!! Me tranquilizou ler esse post. A velha historia do “aproveita pq vai passar…” obrigada por compartilhar!

    1. Lápis de Mãe - 20 de Março de 2018 às 15:38

      Que ótimo saber que ajudamos você de alguma forma 🙂