Categorias

{Relato de Parto} A chegada do Bernardo

Nossa semana começa especial com o relato de uma mãe completamente apaixonada por seu filho que chegou faz pouco tempo! O parto não é só o nascimento de uma criança, é uma mistura de sentimentos, é ansiedade e medo, é o sonho realizado, são mudanças internas e externas… é o nascimento de uma mãe e de um pai.

Nós acompanhamos faz tempo a Marla e o Daniel Lüdtke pelas redes sociais (e continuamos acompanhando na gravidez), a Bela é louca pelos vídeos e trilha sonora Minha Vida é uma Viagem (as músicas são lindas mesmo!). Estávamos na torcida pela chegada do Bernardo!

Hoje é um prazer pra gente poder compartilhar com vocês o parto e todo o sentimento da mamãe Marla por aqui!

banner_obernardochegoubernardochegou2
“A gente passa a gestação inteira imaginando como será o parto e o momento que veremos o rostinho do nosso filho pela primeira vez. Tentamos adivinhar em que dia vai nascer, torcendo pra não passar das 40 semanas. Conferimos até mesmo o calendário lunar, decorando as noites de lua-cheia. Conversamos com amigas que já pariram. Escolhemos com cuidado o médico que vai nos acompanhar, garantindo que seja alguém que confiamos.

Em 9 meses preparamos a mala, o quarto, o corpo e o coração para o parto. E quando ele finalmente acontece, parece que nada te preparou. É tudo tão intenso, louco e indescritível, que só sabe quem passou.

Eu não fiquei muito ansiosa para o parto durante a gravidez, mas me preparei muito psicológica, física e espiritualmente. Fui a academia até o último dia antes do parto. Fiz sessões de fisioterapia para fortalecimento da região lombar e segui uma rotina de exercícios para fortalecimento do assoalho pélvico: agachamentos, exercícios de cócoras e na bola de pilates. Como queria um parto normal e teria que ser sem nenhuma analgesia (nos hospitais da minha região não tem epidural), trabalhei meu psicológico para a dor, mentalizando frases que me ajudariam na hora: “É isso que você sempre quis, Marla”, “aguenta firme, vai passar, logo seu filho está aí”, coisas do tipo. Ao mesmo tempo preparei minha mente para não me decepcionar caso não conseguisse o parto normal. Além disso, eu orava muito. Pedia a Deus que dirigisse cada momento do parto e que me mantivesse calma, me fazendo suportar a dor. Que acontecesse o que fosse melhor pra mim e o bebê, que o Bernardo viesse com saúde.

Devido a esses preparos, em nenhum momento senti medo. E quando os primeiros sinais de parto apareceram, uma alegria imensa contagiou a mim e ao meu esposo. Com 34 semanas, dilatei um centímetro e o bebê encaixou. Eba! Quase chamamos os amigos e fizemos uma festinha! rs Com 36 semanas, o tampão saiu e as cólicas e dor lombar aumentaram. Mas o médico falou que ainda poderia levar semanas. Ou dias. Porém minha intuição de mãe dizia que não ia demorar.

Foi então que com 36 semanas e 5 dias, que meu bebê apressadinho resolveu nascer. Às 1h20 da madrugada de uma quinta-feira, a bolsa estorou. Saltitante de alegria, fui acordar o marido, que demorou uns minutos pra atender meu chamado e entender o que eu estava falando. Ele deu um pulo da cama, já dizendo pra gente sair pro hospital naquele instante. Falei pra ele ter calma, pois eu ainda não sentia nenhuma dor. Mas decidimos ligar para meu médico, que aconselhou irmos a maternidade para o plantonista me examinar.

Ao ser analisada pelo plantonista e ser feita a cardiotocografia, imediatamente fui encaminhada pra internação: estava efetivamente em trabalho de parto, às 02h20 da madrugada.

Logo as dores começaram. Leves, mas seguidas. Pedi que o marido fizesse massagem na minha lombar, e percebi o quanto isso ajudava na dor. Decidimos andar pelo hospital, intercalando as caminhadas com um banho e arrumação das coisas do quarto. Lavei o cabelo, sequei-o, tirei uma foto pra registrar o momento. Atualizamos a família das novidades e oramos mais uma vez pedindo a proteção de Deus.

O médico ligou para o Daniel e perguntou como eu estava, pedindo que retornássemos a ligação pra ele assim que as dores aumentassem. “Como eu vou saber se aumentou?”. A enfermeira respondeu com um risinho: “Você vai saber”. Nesse momento, ainda estava com 4cm de dilatação.

E ela estava certa, eu realmente saberia. Às 6h começaram as contrações doloridas. O médico chegou e eu, com 6cm de dilatação. Dali em diante, entrei no período de não conseguir pensar em mais nada, somente me concentrar em suportar a dor. Já tinha percebido que a melhor forma de superar cada contração era ficar embaixo no chuveiro quente, sentada na bola de pilates e recebendo a massagem do marido, que se mantinha inabalável no serviço que eu tinha lhe imposto. Não sei se teria suportado sem essas três estratégias (banho, bola e massagem). No meio dessa loucura toda da dor de dilatação, a enfermeira falou: “Quando você sentir vontade de fazer força de ir ao banheiro, me chama, pois ai já é a hora”. Poucos minutos depois dela falar isso, veio essa tal vontade. Chamei a enfermeira, que por sua vez chamou o resto da equipe, e foi constatado, às 9h: dilatação total, bebê coroado.

“Agora é só empurrar”, diziam, “o mais difícil já passou, agora você não vai sentir tanta dor, a dor pior é até dilatar tudo”. E de fato passei alguns minutos de tranquilidade. Conseguia descansar e pegar fôlego entre uma contração e outra de expulsão.

Porém foi demorando mais do que a enfermeira tinha falado…Eu empurrava, me esforçava, a cabecinha do bebê começava a sair, mas passava a contração e ele não nascia. Transcorreu assim por 15minutos, 30, 45, uma hora. Tentamos mudar de posição. Sai da cama e fui pra banqueta de parto, e nada. O meu médico, que é de uma linha bem natural e humanizada e contra qualquer interferência médica desnecessária, sugeriu que fosse injetada ocitocina na veia somente na hora da contração, pra ela durar mais tempo e eu fazer mais força. “Dessa forma, em mais duas contrações ele nasce. Ele está aqui, falta muito pouco”. Veio a ocitocina, vieram as duas contrações, e nada. A cada nova contração expulsiva eu me sentia mais fraca. Eu pensava “é a ultima, Marla, vai, você consegue”. E daí eu via que não fora a última. O Daniel permanecia ao meu lado, inabalável, com uma tranquilidade que eu nunca havia visto nele (quem conhece como meu marido é agitado, ansioso e apressado, não deve conseguir imaginar ele calmo do jeito que estava…). Ele dizia emocionado: “Eu já estou vendo a cabecinha do nosso filho, vai meu amor. Falta muito pouco”.

Nesse ínterim, os pediatras começaram a se mostrar preocupados.”

A preocupação

“Num monitoramento de rotina dos batimentos cardíacos do bebê, parecia que eles já estavam mais fraquinhos. O meu obstetra, muito sábio, experiente e calmo, sabendo de nossas conversas no pré-natal, disse com carinho que possivelmente a episiotomia seria necessária. Eu pedi pra me dar mais uma chance, pra eu tentar mais uma vez. Tentei mais duas. Então me convenci da necessidade do cortezinho. O Dr. César falou que se o Bernardo nascesse bem, iria direto para meus braços. Eu não aguentava mais. E nem era tanto de fraqueza, falta de sono e fome. Mas de preocupação pelo bem estar do meu bebê.

Após a episio, no segundo empurrão, às 10h27 do dia 29 de setembro, que o Bernardo finalmente nasceu. Roxinho, molinho…O médico levantou ele, me mostrou, a equipe fez uma leve comemoração, o Daniel também, e eu ainda meio fora de órbita. Mas o Bernardo não veio direto para meus braços. Ele foi levado pelos pediatras e custei a ouvir seu chorinho na sala ao lado.

Mas poucos minutos depois trouxeram-no e o colocaram em meus braços. E a frase que eu queria tanto ouvir foi pronunciada: “ele está bem. Parabéns”.

bernardochegou4

Foi então que toda a emoção acumulada por 8 meses explodiu. Eu e meu esposo choramos copiosamente. Chorávamos, nos abraçávamos e orávamos, agradecendo o milagre da vida. Por toda minha vida havia sonhado com um filho. Tive problemas pra engravidar e quando aconteceu, sabia que somente engravidara por intervenção divina. Então naquele momento, com meu filho em meus braços, mamando em meu peito, eu só conseguia agradecer a Deus.

Hoje meu Bernardo está perto de completar um mês de vida. Ele é um anjinho, o bebê que toda mamãe quer ter. Bem humorado, tranquilo, chora pouco, mama e dorme bem. Bem poucas cólicas. Se nasceu pequeno e magrinho (47cm e 2.730kg), agora já nem parece o mesmo bebê. Tá bem comprido e gordinho. É o nosso “bochechARDO”. É claro que há noites e noites. Umas boas, outras nem tanto. Mas a cada dia que passa o amor e o aprendizado aumentam. Vou aprendendo que a maternidade é sinônimo de cuidado. E que no atendimento das necessidades mais básicas do meu filho – fome, frio, sono e limpeza – demonstro meu amor. Os dias passam sem muitas novidades, pois ele ainda interage muito pouco. É a rotina de dar de mamar, botar pra arrotar, trocar a fralda, colocar pra dormir; intercalada por muitas fotos, beijinhos, historinhas da Bíblia e musiquinhas. E depois que ele acorda, tudo novamente. E depois novamente. E nessa rotina diária, vamos vivendo os dias mais felizes das nossas vidas. E nos surpreendendo absurdamente com um amor que de tanto crescer, já está transbordando.”

bernardochegou3obernardochegou

Lindo, não é mesmo? Nos emocionamos! Obrigada Marla, pode separar um tempinho para escrever e inspirar o Lápis de Mãe e a nossa vida. Que Deus continue abençoando essa família linda.

Deixe seu comentário

29 comentários

  1. Ah, que lindo. Estava ansiosa e me perguntando se esse post seria feito rsrs. Ainda bem que foi.
    Acompanho todos os posts do blog e todas as postagens de Marla e Daniel pelas redes sociais.
    Deus abençoe todos vocês.

    Um cheiro!

  2. Lindo relato, nem preciso dizer q a grávida aqui chorou né, como já tenho um outro filho sei q os sentimentos são exatamente esses, esse é o milagre da vida e não tem como duvidarmos da existência de um Deus maravilhoso.

  3. Muito lindo esse relato. Amei! Acompanhado tudinho dessa família haha, os admiro muito e tenho um carinho enorme por eles. Estava ansiosa por esse relato, finalmente saiu. Que Deus abençoe cada vez mais a Família Lüdtke.

  4. Hah que lindoooo
    Acompanho eles pelas redes sociais e vejo o amor imenso que eles tem pelo seu príncipe Bernado. Parabéns marla por esse lindo relato.
    Que Deus abençoe sua família
    Bjos😘

  5. O milagre da vida!!!! Ahh que lindo o depoimento da Marla !! Que Deus seja sempre louvado por sua vida e a do Bernardo, que ele cresça em estatura e graça diante do Senhor e que a cada dia vc seja muito …mas muito feliz !! Bjs

  6. Eu estava morrendo de saudade de vir aqui no Lápis e me deparar com algum relato de parto. Simplesmente amo! Conheço vários blogs que falam sobre mamães e bebês, mas confesso que aqui, me sinto parte das histórias contadas. E sobre esse relato… tô chorando até agora kkkk família abençoada! O Bernardo é um verdadeiro príncipe. Que Deus continue proporcionando muitas alegrias a vocês! ❤

  7. Eba. Até que fim.
    Estava ansiosa pra saber detalhes de como foi o parto do Bê.
    Acompanhei a gravidez, estava acordada quando disseram no snap que a bolsa havia estourado e orei demais por vocês três.
    💜💜💜💜💜

  8. Ain q lindo. Me emocionei!! Estou a espera de um bebê tbm e uma das minhas preocupações é o parto. Inspirador toda a história. Q Deus abençoe a todos. Obg por dividir essa experiência!

  9. Que repleto perfeito, imaginei todas as cenas através da riqueza de detalhes contados.
    Parabéns Marla e ao Daniel, o Bê é lindo.
    E a minha vontade de ter um parto natural só aumentou, rs.

  10. Nossaaaa, lendo esse relato até parece o meu relato de parto, rs.
    Lindo, lindo, lindo!!!!
    E me identifiquei demais.
    Quem quiser conferir meu VBAC – parto normal após cesárea testificando o grande agir de Deus na minha vida podem acessar meu IG @maricotaecatarinoca foi um dos primeiros posts.
    Beijosss e obrigada por compartilharem.

  11. Ah Q delicia !!! Li tudinho e me emocionei, tb passei por tudo isso pois minhas filhas foram de parto normal
    Q Deus abençoe vcs !!
    Lápis de mãe vcs são maravilhosas sigo tudooooo de vcs! Q Deus abençoe vcs tb 😘😍😘

  12. Muito legal! Tive um parto bem parecido com o da Marla com algumas diferenças na intervenção médica! Que alegria saber que Deus cuida desses pequenos com tanto amor e perfeição! Realmente se tornar mãe é a tarefa mais linda que recebemos!

  13. Me emocionei ao ler!
    Um dia quero sentir essa linda experiência!
    Acompanho todas as postagens de Marla e Daniel pelas redes sociais e não me canso de me emocionar com cada detalhe!
    Quanto amor!
    Deus abençoe todos vocês.

  14. Eu acompanhei toda a gravidez da Marla pelas redes sociais, e me emocionada a cada foto. Ela é o Daniel são o meu exemplo de casal. E hoje, com o Bê, meu exemplo de família. Eu e meu namorado já sonhamos com nosso casamento e com a família que vamos constituir um dia, sempre pedindo a Deus que seja o nosso guia. As histórias aqui do blog me fazem chorar e sonhar cada vez mais! ❤

  15. Muito lindo e emocionante. Não consegui conter as lágrimas rsrs. O nascimento é algo lindo, vivencio nascimentos em minha profissão, mas são todos únicos. Espero que um dia também possa ter um relata com tanto amor e carinho. Família projeto de DEUS.
    Que o Senhor abençoe grandemente essa família.

  16. Olá bom.dia!
    Lindo demais o relato do parto! Acompanho eles pelo face.
    Marla gostaria do contato nome e telefone do seu obstetra pois hj é mto difícil encontrar um médico naturalista. Bjs,, Deus continue vcs!

  17. Lindo d mais..acompanhamos todos os momentos compartilhados pelos mesmos e nos emocionamos junto c o casal…Parabéns marla e Daniel …Parabéns lápis de mãe ❤

  18. Emocionante. Sou mãe de um menino que nasceu através de uma cesariana escolhida por mim. Hoje tenho outra opinião sobre parto. Sei qual o plano original de Deus. Planejo mais um filho e planejo parto humanizado. Relatos como esse só me inspiram.
    Parabéns lápis de mãe!!!

  19. Nossa Marla que legal, embora eu nao tivesse me preparado tanto para o parto normal ( a dor) como voce, eu passei pelo mesmo, só que em menos tempo..tambem precisei da tal “injeçao” pra sentir a contração mais prolongada, o cortizinho, ele nasceu de 41 semanas..fiquei muito preocupada mais Deus cuidou de tudo. e eu também nao o vi de imediato, mais ele nasceu saldável,com um pouco de ictiricia..enfim o meu filho Karlos Eduardo é uma benção de Deus,muito amoroso,dengoso,tranquilo,um menino muito bom e calmo.Amei sua historia,seu bebê é lindo! Amo ser mãe de Menino 😍

Publicidade

Junia Lane