Categorias Lápis de Mãe No Ar

{Rádio Lápis de Mãe} O Pai das Minhas Crianças

Hoje, a vovófa não veio para dar conselhos de sabedoRia, nem dicas e experiências de mãe/ avó. Hoje, ela acordou inspirada e resolveu compartilhar um pouquinho do homem das nossas vidas: nosso pai.

O pai das minhas crianças gosta de se exercitar. Pensava que sabia nadar até um feriado de páscoa quando chamou a Juninha para alcançar um banco de areia lá dentro do alto mar. Eu ri-nada disso! Isso aqui não é Guarapari.

Sentada na areia eu via os dois dando braçadas distante cada vez mais um do outro. Eles foram carregados por uma corrente marítima e me pareciam em sofrimento. Ele estava dentro de ondas gigantes, em estado de pânico, não suportaria muito mais tempo. Corri para o posto de salvamento e eles já estavam com prancha e binóculo indo ao encontro.
Passaram pela Junia mas ela disse: “Não me toquem até que tragam meu pai! E se não conseguirem, não voltem pra me salvar.”
O pai das minhas crianças nasceu de novo pela contração, digo, determinação de nossa filha.

O pai das minhas filhas ficou jogado na areia entre náuseas e tapas de uma criança que não deixava ele apagar.
Em gritos feroz eu me aproximei bem veloz: “homi, você quer me matar?!”
Fingiu um desmaio e contaram por aí que foi melhor que ouvir minha estridente voz.

O pai das minhas crianças, levanta cedo mas está sempre atrasado, inventando um suco diferente.
Pra ficar mais um pouquinho com a gente, ele chega atrasado no aeroporto, nas reuniões, nas gravações, nos musicais.
Ele não contabiliza que pode haver um trânsito, um desvio, obras, uma blitz e um pneu furado deixa ele admirado!
Na matemática dele, ele vai estar sozinho na estrada e maneirinho, ele nunca se perde no caminho, apenas se engana… hahaha

O pai das minhas crianças não aprendeu a levantar a vara ou dar uma cintada nas perninhas desobedientes.
Não aprendeu a segurar nos ombros e, sacudindo, dar uma bronca com uma voz violenta.
Ele não aprendeu a ser um pai assim.
Por mais que ouvisse de mim: “lembra de Eli!”, o caminho que ele usa é o caminho do diálogo. Diálogo com lágrimas e muito amor.

O pai das minhas crianças, como criança, gosta de bananada. Bola, bolo, carrinhos, bonecas e cachorros. Gosta de uma horinha só a mais de filme legal na TV.
Uma metadezinha só de chiclete.
Uma lambidinha só no sorvete.
Uma colheradinha só na calda do pudim… busquem logo um avental.
Ele gosta de Páscoa, do Natal e do feriadão no carnaval.

O pai das minhas crianças, como criança, não sabe a hora de cortar o cabelo;
Ele tem que ser avisado do canto da boca sujo de açaí; não está nem aí!
Não gosta de sair do chuveiro. Esperneia muito para ir pra cama. Não quer dormir cedo.
Me deixa em desespero!

O pai das minhas crianças levanta cedo mas está sempre atrasado.
É muito urgente ficar mais um pouquinho com a gente.
Mesmo atrasado, com as crianças, ainda olha um livro com gravura.
Canta e passa a lição da escolinha.
Corre se arrumando ouvindo as crianças treinando o piano, o inglês ou a nova historinha.
Que figura!

O pai das minhas crianças esquece de se lembrar de alguma coisa.
Repare bem ele na sua casa. Vai esquecer alguma coisinha na varanda, debaixo da cama.
Na geladeira, no banheiro, no canto do sofá…
Mas ele nunca se esquece que é hora de orar. Nunca se esquece de amar.

Te amo, papai das minhas crianças!
#felizdiadospais

Veja também:
{Desabafo de uma filha sem pai} Feliz Dia dos Pais, Mãe!
8 Coisas que mais Amamos na nossa Mãe

Deixe seu comentário

1 comentário

Publicidade

Junia Lane