Por que fazer o teste da orelhinha? – Saúde do Bebê

A audição é muito importante para o desenvolvimento da criança, principalmente para o desenvolvimento da linguagem. Sabia que seu bebê já escuta antes de nascer? Por volta do quinto mês de  gestação ele ouve sons do corpo da mãe, como os batimentos cardíacos. Além de também ouvir a voz da própria mamãe! Por isso é tão importante conversar com o seu bebê durante a gestação.

Para ter certeza de que o bebê escuta normalmente, deve ser feito o teste da orelhinha durante o primeiro mês de vida. Geralmente, ele é feito na maternidade nas primeiras 48 horas.


O teste da orelhinha ou “Exame de emissões otoacústicas evocadas”, é o método mais utilizado para realizar a Triagem Auditiva Neonatal. Leva certa de 5 a 10 minutinhos, bem rápido e indolor. Para realização do exame, é colocado um pequeno fone na parte externa do ouvido do bebê que vai transmitir os sons e captar as respostas produzidas pela cóclea (parte interna da orelha).

Se o bebê “não passar” no primeiro teste da orelhinha, o exame deverá ser repetido. Sabe, em algumas situações o teste pode ser “falso positivo”. Isso pode acontecer porque a presença de secreção (líquido amniótico ou vernix caseoso) no conduto auditivo pode atrapalhar a passagem do som e assim levar ao resultado “falso positivo”.

Se permanecer a alteração, o bebê deverá ser submetido a exames mais completos como o Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico (PEATE), mais conhecido como BERA, que não se altera na presença de condições que podem alterar a emissão oto-acústica. Se esse exame também for alterado, o bebê deverá ser encaminhado para avaliação otorrinolaringológica e audiológica mais específica.

Quanto mais cedo for detectada a deficiência auditiva, melhor para a criança. Atualmente existem diversas possibilidades de tratamento, como uso de aparelho de amplificação sonora individual e implante coclear, que melhoram muito o resultado da reabilitação auditiva com grande impacto positivo no desenvolvimento da função auditiva, da fala, do processo de aprendizado e das relações sociais.

Infelizmente, o diagnóstico tardio, após 06 meses de idade, está associado a problemas como atraso na fala e, em alguns casos, impossibilidade de falar. De acordo com a Sociedade Brasileira de Audiologia estima-se que 4 a 6 crianças entre cada 1000 apresentam perda auditiva.

A Lei Federal nº 12.303/2010  obriga a realização do teste da orelhinha em todos os hospitais e maternidades do país. Todos os recém-nascidos devem fazer este exame.

Atenção: O teste da orelhinha é um teste de triagem que avalia a audição ao nascimento e ele não quer dizer que a audição será normal para sempre! A avaliação global do desenvolvimento da criança pode auxiliar na suspeita de deficiência auditiva. Além disso, as crianças na faixa de idade de 3 a 6 anos devem realizar avaliação auditiva específica.

Assegure-se com o seu pediatra de que seu bebê fez o teste.

quem faz parte desse post

Esse post foi feito com muito carinho pela Dra. Márcia.

Deixe seu comentário