Categorias Desabafo de Mãe

{História Real} A Perda de um Bebê

Amamos falar sobre experiências positivas na maternidade aqui no blog. Mas histórias de perda nos emocionam muito, e acreditamos que podemos nos fortalecer juntas. Através desses relatos, descobrimos o verdadeiro significado de amor e aprendemos a valorizar as pequenas coisas. Mães que encararam a perda de recém-nascidos ou tiveram a gravidez interrompida ainda dentro do útero, guardam o afeto, a saudade e a necessidade de expressar o seu luto.

Hoje queremos compartilhar o relato da Viviane, uma jovem mãe que perdeu seu bebê.

Desabafo

“Precisamos falar do nosso filho que se foi. Precisamos que as pessoas ouçam de verdade, que possa realmente haver um diálogo sobre isso. Às vezes, as pessoas agem como se nada tivesse acontecido.

No fim do ano de 2016, eu e meu marido Davi vivemos dias intensos. Por conta de uma incompetência cervical – quando o colo do útero é incapaz de segurar o bebê até o fim da gestação -, entrei em trabalho de parto 15 semanas antes do previsto. Era 18 de Novembro, e Henrique estava previsto para nascer em 8 de Março.

Quando a expectativa pelo nascimento se transforma em luto, apoio de amigos e familiares é fundamental!”

A descoberta

“Seis dias depois do início das contrações, dei à luz Henrique: 805 gramas, 36 centímetros e o maior amor que pude sentir até então. Eu estava na maternidade e não acreditava que isso estava acontecendo. Tive uma gestação muito saudável, fazia todos os exames, trabalhava e estudava.

Durante 18 dias, Henrique viveu na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do Hospital Santa Cruz. Sempre digo que lá é um lugar de amor. Tenho muita gratidão pelos profissionais. Foi lá que vivi os melhores dias da minha vida, rodeada de profissionais empenhados em garantir a saúde do meu pequeno.

Era madrugada do dia 12 de dezembro de 2016, uma segunda-feira, quando o telefone tocou. Disseram que ele tinha piorado e a médica queria falar com a gente. Mas eu já sabia o que era. Mãe sente tudo.

Foi já sem vida que Henrique recebeu meu colo de mãe pela segunda e última vez. São vários momentos que marcam, e esse, de ouvir que o meu filho não tinha mais vida, foi um dos piores. Ninguém esperava porque toda a equipe do hospital apostava muito nele.”

Recomeço

“O retorno para casa foi complicado e postergado por um mês. Não é fácil chegar em casa sem o filho nos braços, guardar as roupas que estariam sendo usadas, passar a data em que ele iria nascer….

Hoje consigo lidar de forma melhor com isso, porque tenho o apoio da família e tive muitos colegas de trabalho que me escutaram e viveram tudo isso comigo.
As pessoas têm muito receio, acham que vão evitar a dor se não tocarem no assunto. Às vezes, não é preciso dizer nada. Um abraço silencioso vale mais do que mil palavras.

Apesar da perda, o Henrique só veio para me trazer amor. Ele existiu. Ninguém vai apagar isso. Tenho medo de passar por tudo novamente, mas a vontade de nos tornarmos pais de novo é muito maior. Com o Henrique, descobri o que é amor de verdade.”

Veja também:

Insuficiência Istmo Cervical
Gravidez Anembrionada

quem faz parte desse post

Foto via: Ventures Africa

Deixe seu comentário

13 comentários

  1. A dor da partida é surreal.
    Estou vivendo o luto juntamente com uma amiga que perdeu seu bebê de 1a6m por diagnóstico errado.
    Engravidamos na mesma época, nossos bebês tem apenas 20 dias de diferença.
    Não é fácil recomeçar, mas é preciso. Sei que Deus a tem amparado e enxugado suas lágrimas todos os dias.
    Orem por ela.

  2. Cecília completaria 2 anos dia 9 agora.
    Foi um gestação tranquila, sem intercorrências, muito amor e paz. Com 40 semanas e 5 dias, com tudo programado para um parto respeitoso e o mais natural possível, entrei em trabalho de parto e segui pro encontro mais lindo da minha vida. Quando cheguei descobri que Ciça não tinha batimentos. Tivemos um perda gestacional com 40 semanas e 5 dias.
    Até hoje não sei como consigo ficar de pé, mas meu coração vibra de amor e muita saudade. Sigo mãe da Ciça, minha eterna menina.

    1. Thais hj vivo essa dor há dois meses perdi minha princesa com 40 semanas exatas ela deixou em meu coração um vazio e cheio de saudades de tudo que vivemos quando ainda em meu ventre e do que não pude viver .

  3. Tenho certeza que durante estes 18 dias você foi a melhor mãe que o Henrique poderia ter. Ele recebeu muito amor através da encubadoura e em cada detalhe que você preparou para recebe-lo e com certeza hoje ele sabe disso. Não sei qual sua crença religiosa, mas também perdi minha bebezinha na uti neonatal há duas semanas, e o que me conforta é pensar que ela virou um anjinho e está junto de Deus e que um dia eu vou encontra-la. Não deixe o medo dominar vc e te impedir de ser mãe. Não se prive desse amor imenso. Digo isso p vc pq digo p mim tds os dias! Vou tentar de novo e se for da vontade de Deus eu terei filhos novamente, mas dessa vez sem sustos e sem traumas! Desejo muita fé e felicidade p vc e seu esposo! Bjo

  4. Eu não planejava engravidar, por isso voltei a usar a pílula após uns meses usando apenas preservativo. Foi nesse período que engravidei sem saber. Praticamente não tive sintomas (apenas dor nos seios). A menstruação veio fraquinha (mas veio). Só descobri quando tive um sangramento e expeli um serzinho minúsculo que parecia um cavalo marinho. Tirei uma foto e marquei uma consulta de urgência. Eu estava grávida e não sabia. Tinha perdido meu bebê com algo entre 2 e 3 meses. Graças a Deus meu corpo expeliu tudo e não tive que fazer curetagem. Apenas tomei remédios para evitar uma infecção. Demorou pra ficha cair q eu ia ser mãe. Chorei muito (no mesmo fds meu melhor amigo morreu de câncer). Nao entendia pq Deus tinha permitido que eu engravidasse e pq depois permitiu que o bebê morresse. Nao fora planejado mas eu queria aquele bebê. Eu achava q estava bem, mas depois fui diagnosticada com depressão. Só alguns meses depois descobri que eu já tinha sintomas de depressão muito antes da gravidez e tb estava com deficiência de vitaminas, e que se não fosse o aborto, eu não teria procurado tratamento. Deus cuidou de mim, curou meu coração. Agora sonho em engravidar novamente. Mas só posso quando a psiquiatra me der alta do tratamento da depressão. E eu espero. Até pq n quero ter uma depressão pós-parto. Morro de medo de sofrer novamente um aborto. Por isso já comecei a fazer exames com uma obstetra, pra quando a psiquiatra me der alta, tudo ja esteja prontinho pra tentar engravidar. Não vejo a hora de ter um bebê agora. Mas o bebê que eu perdi (que eu nem queria) fez de mim uma pessoa mais forte, e me ajudou a cuidar da minha saúde física e mental, pro bebê que vira em breve. Meu marido, minha irmã, minha psicóloga e meu Jesus cuidaram de mim. E Deus cuida de cada mãe que chora a perda de um filho. Há cura emocional.

  5. Olá, também tenho um anjo Henrique o meu ficou ao meu lado por 8 meses e meio. Primeira gestação, primeiro puerpério e primeira amamentação. Estivemos com ele por lindos e intensos 8 meses e meio, quando subitamente ele fez sua viagem, meu filho teve uma parada cardíaca sem explicação. Os planos de Deus são maiores que o nosso bem como a força que ele nos dá todos os dias para viver com a imensa saudade que tenho dele.
    Siga também sua missão aqui… Força e fé desejo a vocês

  6. Nossa como doi msm…. perdi meu filho com 42 dias de vida (EIM), minha gestação tbm vou sem nenhuma intercorrencia pré Natal feito td certinho exames periódicos, só que quando nasceu ele começou fazer hipoglicemia mais depois de 8 dias internado ficou bem e foi para casa e ficou apenas 31 dias em casa quando teve uma piora e voltou para o hospital só que desse vez teve que ir para uti onde ficou por 3 dias, no terceiro dia vou vê-lo logo de manhã ela já não estava bem quando pediram para eu aguardar do lado de fora que iriam fazer um procedimento foi os piores 50mts que passei em minha vida quando o médico me chamou para dar á notícia que meu filho não tinha aguentando 😢
    Entrei para vê-lo peguei ele no colo no sem vida momento que jamais esquecerei coisa que nenhuma mãe imagina passar pegar seu filho no colo sem vida….

    Hoje depois de 10 meses após sua perda estou grávida denovo de 10 semanas muito ansiosa mais tbm com medo de passar td de novo

Publicidade

Junia Lane