{Educação} Depoimento De Uma Família Bilíngue

Queremos apresentar para vocês a família da Alice. A talentosa Michelle Rodrigues fotografou essa família linda, e hoje mostra um pouquinho do dia a dia deles. Temos alguns fatos bem curiosos e super interessantes para compartilhar com vocês sobre essa família. Os pais optaram por uma educação bilíngue para a pequena Alice, que atualmente fala fluentemente o inglês.

Confesso que até fiquei animada em aplicar uma educação bilíngue na nossa casa depois das dicas especiais da mamãe da Alice. Veja o relato completo e super inspirador!

Relato da Mamãe

Eu sou A-PAI-XO-NA-DA pela minha família e por Natal! Sabe aquela pessoa que fica contando os dias para poder montar a árvore, ouvir música natalina todos os dias e ver as luzinhas e decorações lindas em todo lugar? Então, sou eu! A maior felicidade do momento é ver que a Alice está ficando igualzinha! Adora uma “Christmas Tree”, um “Baby Jesus”…

Apesar de não ser americana, nem ter qualquer parentesco, aprendi a falar inglês desde cedo, em casa mesmo, e até hoje é a língua em que falo com minha mãe e meus irmãos na maior parte do tempo. Por isso, nunca passou pela minha cabeça a possibilidade de não criar meus futuros filhos dessa maneira. Meu marido sabia da minha vontade desde a época do nosso namoro e sempre apoiou a ideia. Me formei em Pedagogia e na faculdade aprofundei meu conhecimento a respeito das muitas vantagens do bilinguismo na infância, como o superior desenvolvimento cognitivo, que, somado às vantagens práticas de se falar uma segunda língua num mundo cada vez mais globalizado, me deram ainda mais certeza desta escolha.

Quando engravidamos da Alice, comecei a conversar e ler para ela, ainda na barriga, em inglês, para já ir me acostumando. Na época eu estava trabalhando em uma escola internacional em que falava inglês o dia todo, o que me ajudou bastante também.

Dica!

Existem alguns métodos diferentes que os pais podem escolher para criar filhos bilíngues. Aqui em casa optamos pelo OPOL – One Person, One Language (cada pessoa fica responsável por falar apenas uma língua), então eu falo inglês e meu marido, Renato, fala em português com a Alice. Depois que ela nasceu, eu parei de trabalhar fora e tenho me dedicado exclusivamente a ela. Então, tenho realmente investido no ensino da língua inglesa em casa, criando um ambiente em que o contato com o idioma seja o mais natural possível. Conversamos bastante, lemos livros (muitos livros), ouvimos música e assistimos vídeos em inglês sempre. Alice hoje tem 2 anos e 3 meses e fala fluentemente em inglês – pelos cotovelos, diga-se de passagem! Em português, ela entende tudo o que falamos. Fala algumas palavras soltas, como cores, números, animais, e está começando a formar as primeiras frases agora. Mas não me preocupo tanto com isso, pois moramos no Brasil e aprender a falar português fluentemente nos próximos anos será inevitável.

Experiências

Acho que a nossa maior dificuldade tem sido aplicar perfeitamente o método que escolhemos, principalmente para o meu marido. Como a Alice ainda não vai para a escola e passa a maior parte do tempo comigo, no momento ela fala bem mais inglês do que português. Por isso, ele acabou criando o hábito de falar em inglês com ela também, que parecia ser mais fácil. Mas ultimamente ele tem se esforçado mais para falar em português com ela e temos visto ótimos resultados. Alice estava começando a perceber que as pessoas não a compreendiam quando ela falava em inglês, e hoje já está conseguindo se comunicar bem melhor em português também.

Uma coisa que nos surpreendeu é como as pessoas em geral têm aceitado bem a ideia de estarmos criando a nossa filha desta maneira. Existe um mito de que a criança bilíngue demora mais a falar ou fica confusa com a exposição às duas línguas desde cedo. Mas diversos estudos já comprovaram que não há nenhuma relação entre o bilinguismo e possíveis atrasos no desenvolvimento da fala. Cada criança tem um ritmo que não vai se alterar se ela falar uma, duas ou mais línguas; o que acontece é que a criança, no início, tem a capacidade de falar menos palavras, então é como se o vocabulário ficasse “dividido” entre as duas línguas. Por causa disso, ela pode aparentar falar menos porque estará falando, por exemplo, 50 palavras em cada língua, em vez de 100 numa só. Por aqui, a Alice já falava algumas palavras em português e em inglês antes mesmo de completar seu primeiro ano.

Nossa experiência tem sido tão incrível e gratificante que sempre encorajamos outras famílias a experimentar também, mesmo que os pais pensem não falar suficientemente bem para ensinar da mesma forma que nós fazemos. Um pouco que se ensine nesta fase, já é muito para as crianças, e fará toda a diferença no futuro delas o acesso a uma segunda língua, seja qual for. Existem tantos recursos excelentes e acessíveis hoje em dia que, para o seu filho aprender, é só querer ensinar. Lógico que vai demandar tempo, determinação e dedicação, mas é muito recompensador. E quando seu filho estiver falando as primeiras palavrinhas na segunda língua, você vai ver que valeu muito a pena!

 

 

Veja também:
“Nunca foi tão difícil educar uma geração”
Educar é a arte mais difícil da maternidade
O papel da escola na vida das crianças

quem faz parte desse post

Fotos: Michelle Rodrigues Fotografia

Deixe seu comentário

6comentários

  1. Esther Hypolito - 1 de dezembro de 2017 às 09:37

    Obrigada por compartilhar um pouquinho da nossa história! Queremos muito ajudar outras famílias a perceber que ensinar uma segunda língua em casa é possível e, quem sabe, encorajá-las a tentar também.

    Quem quiser saber mais, é só seguir a gente no instagram @meubebebilingue 😘

    1. Lápis de Mãe - 1 de dezembro de 2017 às 10:07

      Nós que agradecemos a sua participação e as dicas tão preciosas 🙂

  2. Mariana - 1 de dezembro de 2017 às 10:32

    Que lindas! Fotos lindas! Adorei ❤️

  3. Ana Clara - 1 de dezembro de 2017 às 13:34

    In love total! Muito orgulhosa dessa pequena e desse casal lindo ❤ Vocês são referência demais pra mim de como família deve ser.

  4. Maria Luiza Hypolito - 1 de dezembro de 2017 às 15:21

    Fotos lindas!!!!!

    Muito orgulhosa de vcs!!!!

  5. Ana Carolina Hypolito - 2 de dezembro de 2017 às 23:28

    Muito bacana Primos beijos